Em 2009, o Largo Cultural das Mercês de 23 de agosto foi um dos pontos altos das comemorações pelos 25 anos da Associação Fotoativa. A programação incluiu a mostra fotográfica Fotoativa 25 Anos, exibição de audiovisuais e fotovaral no centro histórico e ainda programação musical com Clube do Vinil, Danny Lúcio Trio, Careca Braga Quarteto, MG Calibre Trio e a participação especial de Sebastião Tapajós. O evento foi sucesso de público, que prestigiou até o final todas as atrações.

O evento foi uma realização da Fotoativa, atraves do Edital de Pequenos Eventos da Secretaria de Cidadania Cultural – Ministério da Cultura, com o apoio do IPHAN Belém, da Fundação Carlos Gomes, Teatro Waldemar Henrique, Viana Print Center, SEURB, SEMMA, SESAN, Doceria Abelhuda e Sol Informática.

Desde 2001 – inicialmente na Praça do Rosário e a partir de 2005, na Praça das Mercês – a Fotoativa vem realizando feiras culturais, a princípio sempre escolhendo um dia do mês de agosto para comemorar duas datas muito especiais: o aniversário da Associação (14) e o Dia Mundial da Fotografia (19).

Os eventos se tornaram ponto de encontro para pessoas ligadas direta ou indiretamente ao cenário cultural paraense, recebendo cada vez mais público interessado em fotografia e artes em geral e a Feira Cultural passou a acontecer também em outros momentos do ano.

Com programação variada (fotovarais, exibição de vídeos, exposições, performances teatrais, apresentações musicais etc.), além de ser uma forma de levar expressões artísticas de qualidade gratuitamente ao público, a iniciativa é uma maneira de atrair o olhar e a atenção das pessoas para o Centro Histórico de Belém, em busca de uma revitalização e valorização a área.

Em dezembro de 2008, a Feira Cultural ganhou o nome de Largo Cultural das Mercês e contou com duas etapas: a jornada fotográfica Belém Histórica, que reuniu 78 fotógrafos entre amadores e profissionais e incluiu palestras itinerantes na programação, e a Feira Cultural em si, quando foi exibido um fotovaral com 600 imagens produzidas no primeiro momento do projeto.

A ação já se tornou tradicional junto aos artistas de artes visuais e a expectativa é, cada vez mais, firmar a ação no calendário cultural da capital paraense.